PUBLICIDADE

Topo

Control Freak

Os 8 personagens não-jogáveis mais sem noção dos games

Victor Bianchin

23/10/2019 07h00

Os NPCs (non-playable characters, ou personagens não jogáveis) são um mal necessário: presos em lugares fixos ou em rotinas cíclicas por toda a eternidade do jogo, eles existem apenas para esperar o glorificado momento em que você irá aparecer e lhes dar atenção.

Alguns têm uma história interessante pra contar, outros fornecem dicas e outros concedem missões paralelas. E alguns, sabe-se lá por quê, são completamente pirados. Confira nossos casos favoritos de NPCs sem noção.

1) A treinadora que não sabe onde colocar as pokebolas (Pokémon Black/White)

A série Pokémon é cheia de piadinhas sexuais aqui e ali (um dia ainda vamos ter um post só sobre isso). A geração V, porém, trouxe o que provavelmente é a maior delas.

Você encontra uma treinadora em uma das rotas aquáticas e ela pergunta: "Se eu estou usando um biquíni… onde eu guardo as minhas pokebolas? Hihi… segredo de mulher".

Se você precisa de explicação para entender a insinuação acima, você é muito novo para ler este blog.

E o pior é que a piada retorna duas gerações depois, em Pokémon Sun e Moon. A certo momento, você encontra uma treinadora que diz: "É difícil alcançar as pokebolas dentro do meu biquíni!".

O povo da Game Freak realmente deve ficar muito bitolado fazendo esses jogos…

2) O fraudador boa gente (Papers, Please)

Entre os diversos civis que o jogador precisa atender no game indie Papers, Please, está um simpático senhor chamado Jorji Costava.

Costava é engraçado porque lhe falta noção e lhe sobra persistência.

Ele tenta obter autorização para entrar em Arstotzka múltiplas vezes, sempre com algum documento falsificado ou um passaporte feito com giz de cera.

Quando, enfim, consegue regularizar a papelada, ele começa a aparecer com contrabando. E depois que desiste do contrabando, ele passa a ser procurado pela polícia. Sempre que você manda prender o sujeito, no entanto, ele mantém o bom humor e volta a aparecer na fronteira, de alguma forma.

Em tempos de tensões políticas à flor da pele, Costava é o imigrante ilegal mais gente fina que já conhecemos.

3) "Você está insultando meu macaco?" (No One Lives Forever)

No começo de uma das missões do clássico shooter lançado em 2000, você precisa se infiltrar em um hotel no Marrocos. Logo no começo da fase, você presencia um diálogo maravilhoso entre dois NPCs do lado de fora do hotel.

Um deles é um vendedor de macacos e o outro é um potencial cliente. A conversa entre os dois é simplesmente brilhante:

– Você está insultando meu macaco?
– Tenho certeza que é um macaco perfeitamente ótimo, mas eu não quero! Agora vá embora, estou muito ocupado.
– Dez dólares.
– Não. Eu não ia querer essa coisa maldita nem se fosse de graça.
– De graça? Você quer que meus filhos passem fome?
– Se estão com fome, eu sugiro que dê o macaco pra eles comerem.

Oscar de Melhor Roteiro Original.

4) O homem que viu chupacabras e fantasmas comunistas (Fallout: New Vegas)

No-Bark Noonan (nome que se traduz para algo como "Noonan que não late") é um NPC teórico da conspiração que vive em Fallout: New  Vegas. Se você der trela, ele vai soltar todas suas teorias sobre o que está acontecendo na cidade de Novac.

A melhor teoria de Noonan é sobre os misteriosos ataques a ovelhas que têm acontecido em uma fazenda. Segundo ele, os responsáveis são chupacabras invisíveis de duas cabeças e que usam armas automáticas. Sério!

Pelo menos parece ser uma teoria melhor que outra, também de sua autoria, que diz que fantasmas comunistas pretendem roubar os foguetes humanos para pintar a Lua de rosa e desenhar o rosto de Lênin nela.

5) A alquimista necrófila (The Elder Scrolls IV: Oblivion)

Em Oblivion, se você visitar a loja de alquimia em Skingrad, na província de Cyrodiil, irá se deparar com uma vendedora meio estranha.

Seu nome é Falanu Hlaalu e, logo de cara, ela já pergunta pra você: "Falando nisso… você por acaso sabe qual é a multa para necrofilia aqui em Cyrodiil? Só perguntando".

Você tem três opções de resposta, entre elas "Seria réu primário"? Se você disser isso, a alquimista responde "Vamos presumir que não". Aí você diz para ela que a multa são 500 peças de ouro e a moça fica feliz: "Isso não é nada comparado com Morrowind. Obrigada".

Não bastasse esse diálogo estranhíssimo, há outros NPCs na cidade que dizem achar Falanu Hlaalu estranha porque ela costuma passear no cemitério com um sorriso no rosto.

Parece que alguém não se faz de morta na hora de praticar suas taras…

6) A comerciante canibal (The Elder Scrolls V: Skyrim)

E eis que Elder Scrolls aparece de novo! Em Skyrim, uma das comerciantes regulares que se encontra ao longo do jogo se chama Lisbet. A história dela é simples: o marido morreu e ela assumiu a loja. Além de fornecer a você uma missão secundária que exige recuperar uma estátua, Lisbet não faz muita coisa.

Ou, pelo menos, era isso que a gente pensava.

Se você jogar uma missão secundária chamada The Taste of Death ("o gosto da morte"), acabará se infiltrando em um jantar de canibais. E quem você encontrará lá no meio da galera? Isso mesmo, Lisbet, pronta para o lanche.

Lisbet comentará casualmente que comeu o marido e o irmão – esse último tinha um fígado suculento, segundo ela.

As pessoas nunca são o que parecem, não é mesmo?

7) Morgan Freeman (South Park: A Fenda que Abunda Força)

Por algum motivo, os criadores de South Park adoram Morgan Freeman e fizeram dele um convidado especial (contra sua vontade) tanto da série quanto dos jogos.

Em A Fenda Que Abunda Força, Freeman cuida de uma lanchonete de tacos e é responsável por ensinar a você como combinar comidas para produzir itens de cura. É possível também desafiá-lo para uma luta batendo nele gratuitamente. Mas atenção: se seu personagem for negro (ou seja, você estiver jogando na dificuldade mais alta), Morgan Freeman não irá lutar com você.

A batalha é uma fonte de incríveis pérolas como: "Você acha que seus peidos são perigosos, né? Bom, eu serei o juiz disso", "Escute minha voz divina e admire minhas sardas", "Guarde essas ferramentas antes que eu as enfie na sua bunda" e "Tome cuidado com o fogo, garoto. Esse avental foi um presente do Michael Caine".

8) Navi (The Legend of Zelda: Ocarina of Time)

Você sabia que este momento estava chegando.

Não seria possível existir uma lista de NPCs irritantes sem a presença de Navi, a fada ajudante de Ocarina of Time. Se, por um lado, todos podemos concordar que aquele foi um dos melhores jogos de sua geração (e talvez de todos os tempos), todos podemos também ser unânimes em dizer que Navi era a pior parte dele.

Essa fada irritante seguia você por todos os lados e gritava "HEY, LISTEN!" basicamente a cada movimento que você fazia.

Andou dois passos? HEY, LISTEN! Quebrou uns vasos? HEY, LISTEN! Subiu na Epona? HEY, LISTEN? Enfrentou um puzzle superdifícil? HEY, LISTEN! Peidou? HEY, LISTEN!

Existe um episódio glorioso de As Meninas Superpoderosas em que o Prefeito joga Zelda e faz aquilo que todos nós gostaríamos de ter feito: matar a própria fada.

Quem me dera, Prefeito. Quem me dera.

Sobre o Autor

Victor Bianchin é jornalista, já foi editor da revista Mundo Estranho e escreveu um almanaque de games. Ele tem um Rush de estimação e considera a técnica do button mashing algo subestimado.

Sobre o Blog

Em Control Freak você vai ficar por dentro das curiosidades, bizarrices e polêmicas saudáveis do universo dos games.